Açúcar no café: pode ou não pode?

Se você sempre adoçou seu café, esse pode ser um bom momento para degustá-lo sem açúcar

Gostei do artigo!
Gostei do artigo! Amei Divertido Nossa!!! Triste Não gostei
31
Wilame Vallantin
Seguir

Wilame Vallantin

Editor em Guia do Café
Wilame sempre tomou café, mas a bebida se tornou sua profissão em 2014, quando foi contratado para trabalhar na sede da Nespresso, na Suíça. Formado em Comunicação com especialização em Data Science, escreve sobre café desde 2015. Adora visitar cafeterias e tem paixão por microlotes.
Wilame Vallantin
Seguir

Últimos posts por Wilame Vallantin (exibir todos)

O tema é polêmico e pode destruir amizades. Tem gente que torce o nariz. Tem gente que não toma sem. Mas afinal de contas: açúcar no café: pode ou não pode?

A resposta é: depende. A degustação de café deve ser feita sem açúcar. A substância altera o sabor natural da bebida e “mascara” tanto as imperfeições quanto as qualidades do café.

Entretanto, se você toma café ocasionalmente, ele pode ser adoçado de acordo com o seu perfil de consumo.

Na verdade, a escolha de por açúcar no café é bem pessoal e depende de como a pessoa “aprendeu” a tomar a bebida. Mas o ideal é consumi-la sem adoçá-lo. O hábito fará com que você comece a descobrir aromas e sabores que ficam escondidos pelo açúcar.

Açúcar no café: pode ou não pode?

Açúcar no café esconde os defeitos

Sabe aquele café superamargo, com sabor de velho e de queimado? Qual o seu primeiro reflexo ao tomá-lo? Acrescentar mais açúcar, certo?

Durante muito tempo, o café feito para consumo interno no Brasil era justamente o café “ruim”. Para poder comercializar esse grão, os fabricantes o torram até o ponto máximo. Isso ajuda a esconder a má qualidade, mas ao mesmo tempo, produz uma bebida muito amarga e com sabor de queimado.

Por isso as pessoas usam tanto açúcar no café: para esconder o sabor ruim.

No café de qualidade, o sabor predominante não é o amargo. Por ser feito a partir de um fruto, o café deve ser naturalmente cítrico ou adocicado. Por isso, é um café que não precisa de adoçantes para ser consumido.

Mas atenção: algum nível de amargor não é ruim e é até esperado de um café. O ideal é que ele esteja presente sem ser o elemento de maior destaque de sabor.

Mudança de hábito

Quem sempre tomou café adoçado pode ter dificuldades para retirar a substância da bebida.

Mas vale a pena!

O café sem açúcar é uma experiência sensorial. Além disso, o açúcar refinado é responsável por vários problemas de saúde. Ao retirar o açúcar do café, você também faz um favor para o seu corpo.

Se você quiser aprender a tomar café sem açúcar, siga essas dicas:

  • Compre café de qualidade. Fuja do café instantâneo ou de cafés “extrafortes”. Não confunda a força do café com amargor.
  • Comece gradualmente: vá reduzindo a quantidade de açúcar ou de adoçante a cada dia.
  • Comece a tomar outras bebidas sem açúcar: pare de adoçar sucos de frutas ou tome mais água. Isso vai ajudar o seu paladar a se acostumar com a falta da substância.
  • O mesmo vale para refrigerantes: fuja deles.
  • Faça testes: compre cafés especiais de marcas diferentes e deguste-os sem açúcar até descobrir qual sabor lhe agrada mais.
  • Os cafés de torra clara são mais cítricos e frutados e menos amargos. Experimente esse perfil de torra

E você? Como você toma o seu café? Se você já toma café sem açúcar, conte para gente como começou.

Nossas cafeteiras preferidas

Existem diversas opções de cafeteiras e acessórios para café no mercado. Periodicamente, selecionamos alguns produtos para que você possa preparar seu café gourmet em casa. A seguir, você encontra uma seleção de produtos que te ajudam a preparar uma xícara de café perfeita.

Cafeteira Globinho Hario Cafeteira Globinho (Sifão) Hario Comprar
Cafeteira Espresso Gaggia Anima Cafeteira Espresso Gaggia Anima Comprar
Cafeteira Delongui Superautomática Cafeteira Delongui Superautomática Comprar
Gostei do artigo!
Gostei do artigo! Amei Divertido Nossa!!! Triste Não gostei
31

Achou um erro ou um link quebrado? Clique aqui para reportar.